terça-feira, março 27, 2007

Observava ..


Estive tanto tempo no café que quase consegui absorver cada um dos paralelos do lado do vidro que tão fixamente olhava. Na verdade tudo me chamava a atenção, mesmo que o vazio me passasse entre os olhos e os sentidos..
De um lado para o outro, pareciam formigas, as pessoas! O mesmo andar agitado e o olhar preso em relógios de bolso, de pulso ou de telemóvel. Talvez essa fosse a única marca que os diferia. Sem identidade, eram-me todos iguais. Sozinhos, ocos, como uma máquina quase perfeita aos olhos de quem tanto tem para fazer e não passa as manhãs em cafés olhando as pedras da calçada.
Mas aos meus olhos, tão ou mais imperfeitos quanto eles, a sincronização era demasiado feia. Demasiado apressada. Velocidades furiosas faziam-se bater nas pedras que estalavam nos vidros. E eu continuava ali, imóvel, desprotegida, mas quieta!
Entre as mil e uma coisas que me passavam pela cabeça, era impossível dispensar as analogias que iam manchando o meu próprio mundo e o outro tão perto do meu.
Nunca devia ter seguido Direito, já eu sabia. Nunca, para quem tão pachorrentamente não faz mais do que manhãs no café a consumir o vazio daquelas pedras. Mas até essas pedras, tão vazias que me pareciam, tornaram-se tão mais cheias do que os relógios que se faziam ouvir desde a fila da entrada, até ao parque de estacionamento mesmo ali à frente.
Era o reinado das 'machines', a Era dos stocks ilimitadamente limitados por uma falta de ADN que nos faz extravasar no mundo lá fora. E eu, que tão delinquentemente nada mais fazia do que ver através dos vidros, sentia-me a pior das máquinas. A mais feia de todas. Mesmo sem pressa e sem relógio. Nada mais fazia do que estar ali. Penalizando cada um dos pormenores que me fiz ignorar só porque me disseram que talvez não lhes devesse ligar.


(Fuck you, I won't do what you tell me)

7 comentários:

El-Gee disse...

Ouve quem te quer bem.
Pergunta a ti mesma o que sao os teus valores fundamentais.
Imagina o que queres ser e onde queres estar daqui a dez anos.
Escolhe dez coisas que farias se te dissessem que ias morrer daqui a um ano.
Fecha-te num casulo.
Decide
Salta cá para fora.

Depois voa.

DarkPoet disse...

You Said I Got Magical Poetry ...

But Then, What May I Say Of Your Magical Prose ???

You're Doing No More Nor Less Than Spelling Your Heart Out I Believe ... And Damn It, I Never Found Anyone Who's Better Than You!!! =)

Just Saying I Admired You A Lot Since I've Met You ... Since Yesterday I Admire You A Lot More =D

Miss You To
*** Kiss ***

S. disse...

O Direito precisa de pessoas como tu. Que saibam parar e olhar os paralelos. Talvez um dia, sacundindo a poeira dos livros, te apercebas que o Direito foste sempre tu. Tu e a tua poesia, tu e as horas pachorrentas no café. Tu e os medos, tu e as dúvidas. Tu e esse teu lado humano tão comovente como determinado. Tu, esse maravilhoso ser humano que és. Tu.

Talvez um dia te encontres aqui, onde menos esperavas.

Street Fighting Man disse...

hard it comes
easy it goes
the clock is ticking
no one knows

walk of thorns
swim of wine
anyway
you walk the line

clock of sand
grain by grain
there's no way
to stop the rain
there's no way
to block the past
there's no way
to break the glass

all that i know
is why i know all that


PS: tu citaste ratm ou é só impressão minha :D andas a aprender andas

***

Português Suave disse...

Tinha saudades de por cá passar, Coimbra suga-me o tempo todo...
Não te li, só ao parenteses e é a melhor expressão para o meu dia.
Um beijo em ti*

soul_traces disse...

Que a pressa nunca te apanhe. Que os relógios nunca te findem os segundos eternizados a cada linha que os olhos vao percorrendo. Que possas sempre fazer nao menos do que isto - deliciar nos a cada texto que escreves:)
beijinhu linda*

Anónimo disse...

Penalizando cada um dos pormenores que me fiz ignorar só porque me disseram que talvez não lhes devesse ligar.
nao m parece que tu ignores pormenores. tu que te prendes com as pedras da calçada e a falta de identidade das pessoas na rua. tu que te identificas com cafés e relógios. tu que quase sentes o tic tac diário da tua vida, no Direito.
foi uma escolha tua.
tu qiseste isso, em certa altura.
agora tens de encontrar o pormenor que, nessa altura, te fez escolher Direito.



amo o que escreves.