domingo, janeiro 28, 2007

Pudesse eu


Pudesse eu prender a força, estalar os sonhos e guiar-me no escuro sem tropeçar. Pudesse eu escolher as letras das músicas que despertam a noite e traçar o filme tal como o sonhara. Pudesse eu não desejar mais, secretamente bem baixinho, sussurrando à minha alma adormecida no canto das tardes de domingo. Pudesse eu saltar daqui para alem sem que os passos me estremecessem ou a garganta me abafasse. Pudesse eu parar o miocárdio, recuar às tardes de Verão e lembrar o rosto que silenciosamente me espreitava.
Pudesse eu.. Porque se eu pudesse, eu fazia.

3 comentários:

soul_traces disse...

Podes prender as pessoas a cada palavra tua, estalar os sonhos que se encontram dentro de ti e guiar-te no escuro que por vezes teima em colorir os dias, sempre com o desejo de nunca tropeçar. Podes escolher que letras usar para compores estas melodias que pairam na mente de quem se cruza com elas. Podes sempre voltar atrás. Na memória. As recordações existem para serem lembradas. Para serem visitadas:)
Beijinhux linda***

Português Suave disse...

E não podendo limitamo-nos ao surreal Mundo do Senhor 'Se'.
Este soube-me a gelado de limão (e não me entendo na metáfora que criei :x)
*

Anónimo disse...

Às vezes quando queremos muito somos capazes de coisas incríveis...que pensávamos ser impossível!

um beijinho