sábado, dezembro 02, 2006

Filme do amor




















«Os filmes não acabam assim.»
Segredei-te ao ouvido em tom monocórdico abafando qualquer dor que se visse entre as linhas da remeniscência que se encostavam ao meu peito.
Levantaste-te. Gritaste.
Explodiste a mais maravilhosa página de todos os tempos fazendo jus a todas as cordas que fazem tocar a mais bela canção de amor. A caixa era pequenina, brilhava no escuro e dançava interminávelmente enquanto contemplávamos os acordes da lua que nos beijava ao som da mais doce paixão.
Estava noite. Gelidamente aqueceste as minhas mãos nas tuas que cheiravam a chicla de menta e chá de baunilha. (Incrivel como cada poro teu liberta as sensações.)
E como se a noite não acabasse mais, fui ajeitando os meus ombros nos teus, enquanto me penteavas o cabelo com os dedos que baloiçavam entre caracois e um cigarro. Chamei-lhe 'o meu sítio' e nunca me senti tão pertencente a tudo o que nunca me pertenci. Perfeita, como se de um circulo em linha recta se tratasse.
Ouvi dar a hora e ignorei os ponteiros pequeninos fazendo-se monstros para me assustar. Agora não. E assim varri de mim todas as angustias antecipadas do que poderia ser não sabendo o que era ali.
Era bonita a lua, monstruosamente bonita, fazendo mergulhar em nós uma fraca distinção entre mim e ti. Deixei que me ajeitasses no teu peito perpetuando os meus membros nos teus, respirando o teu ar no meu. Colidi na mais imponente árvore pitagórica que desmaiou nas nossas forças sem parar a velocidade do nosso miocárdio.
Estávamos ali, em nós. E assim ficamos.
«Final feliz.»
Segredei-te ao ouvido libertando dicionários de emoções que se desmancharam no puzzle do nosso amor.

5 comentários:

Laura disse...

Agora entendi pq o fotolog andou em falta..
e eu que andei perdendo estas coisas bonitas.. =/
beijo grande, mafaldinha*
Laura

ps.mas agora vou passar sempre.

Té § [Pi]menta =) disse...

sinto tanto a falta desse "filme do amor"! "Gelidamente aqueceste as minhas mãos nas tuas que cheiravam a chicla de menta e chá de baunilha. (Incrivel como cada poro teu liberta as sensações.)" lindo :') * sorry. mas hj n consigo melhor do q isto.. :( * bjinho

soul_traces disse...

simplesmente sem palavras...
mesmo...
está fantástico...
continua deliciar aqueles que te procuram com esse fantástico dom de passar para palavras aquilo que o coraçao segreda...:)
beijinhux***

Português Suave disse...

'E como se a noite não acabasse mais, fui ajeitando os meus ombros nos teus, enquanto me penteavas o cabelo com os dedos que baloiçavam entre caracois e um cigarro. Chamei-lhe 'o meu sítio' e nunca me senti tão pertencente a tudo o que nunca me pertenci.'
Apaixono-me a cada linha, e mais não sei dizer*

Rita/Jamila disse...

o texto já nem vale comentar por motivos evidentes à boa leitura de tao bonito texto ;)

Gostei particularmente da imagem escolhida...simplesmente linda

(beijinhos! ;p)