sexta-feira, dezembro 03, 2010

Mercy

Céus, devia ser proibído ser selvagem, ser-se punido em amar sem fim, e preparar o corpo para receber, sem fintar o tempo com a memória ou a memória com a imaginação. Céus, venha Deus ou o Diabo de coração presente ou olhar lancinante, que a manhã cinzenta faz-me chorar e a cabeça pende sobre o corpo pior que peso morto. Permanece intocável, o cérebro, sem som nem vibração, conexo por um tempo que não se compadece de mim. Faz-me ver, mas não me mostres, alimenta-me a fé e pinta-me a esperança, cor de água não me chega para tanta sede de viver. Deita-te ao meu lado sem deixar dormir. Tu não sabes mas digo-te agora.. Oh Céus!...

1 comentário:

Sergio Martins disse...

Adorei teu blog e estou te seguindo, caso queira seguir-me também, veja:http://asvozesdomar.blogspot.com/

Feliz Ano Novo!
Abç!
--