sábado, outubro 06, 2007

Finalmente!

Foram dias difíceis!
Entre Norte e Sul cruzavam-se os meus olhos na distância de não estar mais perto! Os sentidos foram-se baralhando, geometricamente desmesurados, enquanto os artigos me acompanhavam o caminho sem Este e Oeste!

Desculpa!

Desculpa se me desencontrei dos teus dias!
Lamento não te ter dito mais vezes como me deleitava na nossa rota! Como gostava de ti! Principalmente, como gostava de ti!

Pele contra pele, os vestígios foram ficando para trás em metros gigantescos que as olheiras já não ousavam disfarçar! Os dias caíam e a adrenalina deu lugar ao corpo imundo sem fim nem início! Os sons eram estranhos e o céu espraiado nos meus braços não era mais o mesmo!
Tu!

Nunca mais a noite chegava ao fim!
Nunca os planos foram tão adormecidos!

Vejo agora o outro lado!
Percebo agora as expectativas! Percebo agora o ânimo! Percebo agora a confiança!
E quando o vazio me desalentar o rosto velho e cansado, quando o vácuo me interceptar os últimos sinais da razão, lembrar-me-ei do que me fez escolher o que um dia seria 'direito'!

No fim, valeu a pena!

Nunca os meus lábios rasgaram tanto naquela pauta!
Nunca a melodia me fez dançar tanto ao som da voz!
Finalmente, de passaporte nas mãos, bússula no peito e o teu cheiro no coração! A língua já avizinhava o hálito a casa, onde a minha boca era a tua e a vida era nossa, outra vez!

Agora sim, podia descansar!


Inquebrávelmente congelamos a noite no âmago de tudo o que somos: um corpo em uníssuno onde todas as sílabas se reúnem e conspiram a nosso favor!
Fazemos girar as estrelas! Dançar o espaço! Somos espanto e insónias!
Damos as mãos e fortalecemos as horas!
Recuperamos o fôlego tantas vezes quantas o perdemos, e subtraímos-lhe os segundos para perder e recuperar mais e mais!

... Podemos nem passar de dois desejos de Verão! Mas a lua é nossa e brilha em qualquer parte do mundo! Os dedos entrelaçam-se e o tempo rende-se ao palpitar do que não nos deixa separar!

Há qualquer coisa em nós!

Hoje escrevo para te agarrar, sempre! Com tanta força que nem a gravidade te pode levar para longe de mim!


Convite ao Universo, com a tua própria câmara..

8 comentários:

Lau disse...

Quando um sorriso teimar em desaparecer.quando uma lágrima esperneia em correr. quando a confiança fugir. quando tudo parece o nada sem qualquer razão, e a razão está deturpada de sentimentos e só ficam as olheiras e o cansaço... estou aqui. estamos aqui. nosso é o futuro, meu bem precioso. e nada mais há de tão "direito" nisto :D

os dias são de sol outra vez - a chuva é só para nos enganar ;)

orgulho-me de ti*

Anónimo disse...

Não consigo dormir e apeteceu-me ler e escrever um pouco..humm é esta a minha perspectiva de um assunto que não conheço...

"Da minha pouco íntima e solitária cama, sentia o tic tac daquele antigo relógio ao qual a minha tensa respiração dava corda e corda retirava. Nunca percebi porquê, mas perdido naquela imensidão de sentimentos, naquela branco mar de sentimentos frios e duros, envelheci. E envelheci mais do que poderia ter envelhecido. Meu corpo não mexia e face ao espelho da consciência pude ver que meus cabelos eram brancos, minha face enrugada e minha alma mais gasta que a aquela velha pedra que tenho no interior do meu velho coração."


P.M.

soul_traces disse...

Fossem todas as desculpas pedidas desta forma e acredito que toda a gente poderia desculpar com a facilidade de um piscar de olhos.
São bonitas as palavras, mesmo.
Eterniza as noites que guardas na memória, ao mesmo tempo que adormeces os planos que alentas no coração.
Acredito que no fim, não há nada que não valha a pena.
Por fim, que sempre o tempo se renda ao brilho da (tua) lua.

Um beijo muito grande*

sOl disse...

Lindo...
Como sempre uma inspiração..
Adoro vir aqui ler-te...



Bjinho



sOl*

sOl disse...

Sempre inspirador...
Hoje li de um fôlego só todos os textos,vi todas as imagens,tentei decifrar todas as palavras escritas neste blog..
E vejo a vida de maneira diferente.
E sinto tudo de maneira diferente.
Hoje sinto-me feliz por ser portuguesa,pela primeira vez...
Porque não há lingua mágica como a nossa..
Senti tudo,entendi tudo,não consegui parar de ler,e quando cheguei ao fim,fiquei na ãnsia do que está por vir..
Hoje,ganhaste uma fã =p

As palavras são o que me motiva,e tu és uma inspiração..


Bjinho doce coberto de algodão*



sOl*

Sandro disse...

Não renuncies nunca aos dias de sol, nem à simples memória deles.

O amor é tanto dançar debaixo de um céu de lua cheia, como é esperar pelo calor do Verão, e dos corpos nús...

Um beijo

Teresa Pimenta disse...

foram dias dificeis, mas quem deita abaixo essa intensidade com que vives todos os dias? quem mata o brilho do teu olhar? :) ninguem! *** beijao pussy

rp disse...

De certa maneira a gravidade não existe; o que faz mover o Homem e as estrelas é a distorção do espaço e do tempo. ;)